Monitoramento ao vivo: twitter.com/bhtempo

bhtempo

    12 de dezembro de 2009

    BH comemora aniversário com muito sol e calor

    Vista parcial da Praça Sete em 1940

    Há 112 anos era inaugurada uma das primeiras cidades planejadas do Brasil: Belo Horizonte. Construída para ser sede de um dos estados mais ricos da federação, a capital mineira foi conhecida por muitos anos como uma cidade de clima ameno e saudável, o que atraiu pessoas do mundo todo para tratamento de doenças respiratórias.
    Planejada originalmente para abrigar 200 mil pessoas, a cidade viu sua população crescer rapidamente ao longo do século XX. Segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2009 sua população era de quase 2,5 milhões de habitantes.
    Todo esse crescimento teve um preço. O descaso de governos irresponsáveis permitiu a extinção de áreas verdes e a supressão cada vez maior das famosas árvores que um dia deram o título de Cidade Jardim à capital de Minas Gerais. Hoje, quem caminha pelas ruas de Belo Horizonte percebe a ausência de sombra e sente na pele os efeitos do fenômeno da ilha de calor urbana. A diferença de temperatura entre a região central da capital e suas áreas periféricas pode ultrapassar 3° C (Abreu & Assis, 1998).
    A Belo Horizonte de 2009 já não tem o clima agradável de outrora. Além dos temporais cada vez mais severos, a "BH" de hoje tem convivido com dias de calor intenso, pouco vento e baixa umidade relativa do ar - condições que favorecem o acúmulo de poluentes na baixa troposfera.
    Nesse sábado, dia de festa, a charmosa capital amanheceu com céu claro e temperatura agradável: 18,6° C na região da Pampulha, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). A máxima, durante a tarde, foi de 30,4° C.

    11 de dezembro de 2009

    Tarde de muito sol e calor em BH

    Após uma longa sequência de dias nublados e chuvosos, o sol voltou a aparecer forte em Belo Horizonte e Região Metropolitana ainda no final da manhã dessa sexta-feira. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a temperatura máxima chegou aos 29,8° C na região da Pampulha. Além do calor, a umidade relativa do ar caiu rapidamente ao longo da tarde e atingiu níveis críticos (29 % entre 14 h e 16 h). A condição de tempo estável, resultante da atuação de um sistema de alta pressão atmosférica, deve persistir até o próximo domingo na capital. Nesse sábado, aniversário de 112 anos de Belo Horizonte, o sol irá brilhar forte e a temperatura pode chegar aos 31° C.

    Pressão aumenta e nebulosidade diminui em MG



    A influência de um sistema de alta pressão atmosférica com centro oceânico deixa o tempo estável, sem condições para chuva, em grande parte do estado de Minas Gerais. Em Belo Horizonte (imagem acima e à dir.), os ventos da circulação marítima são responsáveis por uma manhã de céu parcialmente nublado e temperatura agradável nessa sexta. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia, às 10 h fazia 24,6° C com umidade relativa de 69 % na região da Pampulha. Nesse local, a pressão atmosférica está bastante elevada para dezembro e atingiu 920,1 hPa entre 9 h e 10 h da manhã. A partir de amanhã a pressão volta a cair e até domingo as chuvas devem voltar a atingir o centro-sul mineiro. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte deve voltar a chover na segunda-feira.

    10 de dezembro de 2009

    Zona de Convergência de Umidade sobre MG

    O tempo quente e úmido no Norte do país e instabilidades deixadas no litoral do Sudeste pela recente passagem de uma frente fria ainda se organizam em uma extensa Zona de Convergência de Umidade (ZCOU), desde a Amazônia até o litoral sul do Espírito Santo. Esse sistema deixa o tempo instável em grande parte do centro-sul mineiro, inclusive na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A capital amanheceu com céu nublado nessa quinta-feira. Às 11 h fazia 25°C na região da Pampulha, conforme boletim aeroportuário. Pode chover à qualquer hora do dia e a máxima não deve passar dos 26° C.

    Chuva em dezembro já ultrapassou a média histórica em BH

    As chuvas ocorridas nos primeiros 10 dias de dezembro na capital mineira já foram suficientes para ultrapassar o volume total de chuva esperado para o mês. Segundo dados da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) localizada na região da Pampulha, de 1° de dezembro até 9 h dessa quinta-feira (10) choveu 324 mm. Esse valor é maior que o volume médio histórico, conforme as Normais Climatológicas 1961-1990 do INMET para dezembro: 319,4 mm. Como estamos apenas no início do mês e a previsão é de mais chuvas, é provável que o acumulado verificado até hoje se eleve consideravelmente. De qualquer forma, o valor observado nesse mês ainda é inferior àquele registrado pela mesma estação em dezembro de 2008 - um dos mais chuvosos da história recente da capital mineira: 833,4 mm. Ao que tudo indica, dezembro de 2009 não quer ficar atrás...

    8 de dezembro de 2009

    Decisão do futuro climático do planeta

    Entre os dias 7 e 18 de dezembro o futuro climático do planeta pode ser decidido em Copenhague, na Dinamarca.

    Por: ADRIANA MARIANO
    A Conferência do Clima em Copenhague (COP15), organizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), tem por objetivo discutir o aquecimento global – comprovado ou não como conseqüência somente da ação do homem - e conciliar os interesses entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento com o meio ambiente.

    Essa é a 15ª edição do evento e cerca de 34 mil pessoas, mais da metade da capacidade, se credenciaram para ir à Conferência. Entre os participantes estão ambientalistas, cientistas e jornalistas. Quase 100 chefes de governo confirmaram presença. O encontro também propõe ser mais decisivo que o fracassado Protocolo de Kyoto, de 1997.

    O grande desafio da COP15 é estabelecer acordos de redução da emissão de gases entre os países mais poluidores do mundo, como os Estados Unidos e a China. O encontro também tem como pauta elaborar um acordo real onde deve estar prevista a facilitação do acesso dos países em desenvolvimento às tecnologias limpas.
    Todas essas medidas podem colaborar para que aquecimento da Terra não passe de 2°C até o fim do século. Negociadores de 192 países têm 10 dias nada fáceis pela frente, pois o mundo necessita de repostas que tragam soluções, e não postergações, para o meio ambiente.

    6 de dezembro de 2009

    Domingo chuvoso em BH



    Áreas de instabilidade associadas à recente passagem de uma frente fria pelo Sudeste do país e ao tempo quente e úmido na Amazônia deixam o céu nublado e com condições para chuva em grande parte de Minas Gerais, inclusive na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Apenas o extremo sul do estado tem uma tarde de domingo com tempo mais firme. Na capital (imagem acima e à dir.), a chuva persiste e a sensação é de frio. Às 13 h fazia 19,4°C com umidade relativa de 95 % na região da Pampulha, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia. No Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins (RMBH), a temperatura era igual a 17° C e a visibilidade estava reduzida à 1500 m às 13 h. A máxima hoje não deve passar dos 21° C em Belo Horizonte.